CONTACTE-NOS: 214 146 393geral@clinicacabralbarreto.pt

Clínica Dr. Cabral Barreto

Lipoaspiração (vibro) / Lipoescultura (lipofilling)

Este método de redução de adiposidades tão usado nesta especialidade teve o seu início há quase quatro décadas.
Foi Schruddle, J. cirurgião alemão, que em 1972, numa comunicação científica “Suction Corettage for Body Contouring”, apresentada num Congresso da Sociedade Internacional de Cirurgia Estética, lançou como que “a primeira pedra” do processo que iria revolucionar o tratamento cirúrgico da gordura acumulada, as chamadas lipodistrofias.

Curiosamente esta técnica não foi inicialmente aceite pelos seus colegas contemporâneos, mas cirurgiões como Aspad e Fsher na América, Kesselring e Meyer, na Suiça e, posteriormente, Illouz e Fournier, na França, levaram a que se implantasse duma maneira tão sólida e difundida que é praticada em todo o mundo e por várias especialidades médico-cirúrgicas.
É uma técnica tão usada pelos cirurgiões plásticos que alguns até se dedicam a ela quase em exclusividade. Mas atualmente outros médicos de outras especialidades também a praticam o que se explica por se tratar dum tratamento pouco exigente em termos técnicos não sendo realmente preciso um extensivo treino e experiência para lipoaspirar (aspirar gordura) com segurança e obter resultados positivos. 

A TÉCNICA DE LIPOASPIRAÇÃO

Atualmente existem várias técnicas que procuram vários objetivos. Estes são fundamentalmente:

  1. Segurança no procedimento e nos resultados
  2. Mínimo desconforto durante e após a lipoaspiração
  3. Ausência de equimoses
  4. Ausência de irregularidades cutâneas
  5. Máxima retração cutânea
  6. Mínimo tempo de baixa médica

Com aqueles objetivos desenvolveram-se aparelhos que associam à pressão de vácuo à vibração das cânulas. Este facto associado à técnica de anestesia tumescente, permite aspiração de grandes quantidades de gordura com cânulas tão finas com diâmetro que vária de 2.5 a 4 milímetros.
Outra técnica é baseada no Laser, a chamada laser-lipólise, que provocar uma maior retração cutânea.
A anestesia preferencial é a anestesia tumescente que se baseia na infiltração de grandes quantidades de anestesia local muitíssimo diluída. A aspiração é assim facilitada e a hemorragia e consequentes equimoses são mínimas. A limitação desta anestesia está em que se deverá aspirar apenas uma a duas zonas do corpo devendo evitar-se atuar em várias áreas na mesma sessão operatória.
No final da lipoaspiração são aplicados drenos para permitir a saída do líquido de anestesia que não foi aspirado e eventuais seromas.
O/a paciente poderá ter alta passadas três ou mais horas após a lipoaspiração consoante a magnitude do procedimento.
Deverá ser aplicada roupa elástica e compressiva durante várias semanas.
A drenagem linfática, ultrassons, corrente de alta frequência e hidroterapia acelerarão o restabelecimento da textura cutânea e reabsorção de edemas residuais.
É de salientar que o processo de normalização poderá atingir os seis meses pós lipoaspiração.

INDICAÇÕES

AS ZONAS A TRATAR SERÃO

  • Abdómen
  • Ancas
  • Regiões trocantéricas (deformação em calção de montar)
  • Nádegas
  • Parte interna e externa da coxa
  • Parte interna do joelho
  • Tornozelos e parte inferior das pernas
  • Braços
  • Duplo queixo
  • Ginecomastia (mama no homem) quando é constituída por gordura

LIPOFILLING

Preenchimento de depressões cutâneas
Com a técnica lipofilling podemos corrigir alterações do contorno cutâneo com tecido adiposo do próprio paciente.
A lipoescultura / lipofilling tem muitas vantagens porque o produto utilizado é do próprio não havendo portanto rejeição. Mas deverão ser respeitadas certos limites.
A gordura que é colhida por lipoaspiração para o processo de lipofilling, depois de preparada, é injetada para preenchimento de depressões cutâneas ou para aumento de volume de determinadas áreas, como por exemplo as maçãs do rosto, lábios e nádegas em casos de atrofia.
Alguns cirurgiões aumentam mamas com este método mas outros contraindicam-no pela possibilidade de surgirem situações ambíguas e de difícil diagnóstico diferencial com o cancro da mama.